sábado, 17 de janeiro de 2015

EF

E se a existência estiver baseada no pensamento de existir?
Penso,logo existo.
E se as crenças, Deus e os orixás só existirem, pois os tornamos existentes a partir da existência do pensamento?
Penso, logo existo.
E se o planeta, a matéria e a humanidade só existirem por pensarmos viver neles?
Penso,logo existo.
E se o pensamento for uma máquina capaz de experimentos para tornar existente?
Penso,logo existo.
E se o que é real for apenas pensamento, a existência do pensamento o torna real?
Penso,logo existo.
E se a dinâmica entre vida e morte for apenas uma questão de ângulo?
Penso,logo existo.
E se a morte não existir em face que a vida nunca nunca existiu a não ser por pensamento?

( Sem alterações)

terça-feira, 17 de junho de 2014

Bolhas

Oxigênio, bolhas, moléculas de O2.
Nadadeiras, força, tempestade, água.
Calma, paz, tranquilidade, pensamentos.
Temperatura, moinho, interior, escuro.
Mar e além. Peixes nadam, morrem,
ressucitam!

segunda-feira, 16 de junho de 2014

SER

Sou refém dos meus próprios atos
Sou refém de mim e dos meus obstáculos
Sou vítima da minha própria trama
Sou protagonista da minha crônica
Sou estrela e figurante do meu drama
Sou o ego e o orgulho
Sou diamante e estrume
Sou gigante e pequeno
Sou fino e vulgar
Sou belo e monstruoso
Sou fera e lacaio
Sou esplêndido, brilhante e maquiavélico !
Sou enfim, eu, somente eu, egoísta, egocêntrico e feliz.

Imediatismo

Agora irei resolver
  Agora sei a resposta
    Agora posso decidir
       Agora sei por onde começar
          Agora acabou a confusão
             Agora a turbulência passou
                Agora é tempo presente
                  Agora será tempo no futuro
                    Agora é o momento solitário 
                      Agora é o abraço querido
                         Agora é aqui e além é enfim o começo de tudo!

Sonhava

As ondas traziam o caixote de madeira
cobertos de flores vinham os corpos.

Descia as escadas esbaforida
Perseguida por meus temores.

Cova funda, sete palmos,desenterra e enterra!

Acordava e não conseguia levantar
gritava e não conseguia me escutar

Chorava e não vinham as lágrimas
Lamentava e não sentia-me perdida.

Lapides, peixes, prédios, cordas,
vida e morte, todas juntas.

Perturbações, euforia, impaciência,
presa nos meus próprios medos.

Eu me escondia e me perdia
Achava-me sozinha, triste e fria
refém de minha própria amargura
A noite foi chegando e as vozes não
paravam de falar. Adeus!


sábado, 7 de junho de 2014

Passagem

Fecha
Abre
Fecha
Abre
Fecha
Segue
Para
Segue
Para
Segue
Para
Sente
Mente
Sente
Mente
Sente
Finge
Finge
Força
Força
Chora
Chora
Chora
Morre!

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Enlutado

Luto por um amor que se foi
Luto por uma flor que morreu
Luto pela pálida donzela
Luto para viver sem ela
Luto para achar um sentido
Luto pelos que não tem um abrigo
Luto por desconhecidos
Luto por mim e por ela
Luto até cansar e descansar.

sábado, 3 de agosto de 2013

Anos


Aos 4 a revelação
Aos 6 a primeira decepção
Aos 7 as descobertas
Aos 8 as decisões
Aos 9 as dúvidas
Aos 10 mais lágrimas
Aos 11 os sonhos
Aos 13 experiências
Aos 14 o beijo
Aos 15 a tragédia
Aos 16 o arrependimento
Aos 17 a primeira transa
Aos 18 a primeira briga
Aos 19 a primeira luta
Aos 20 várias intrigas
Aos 21 as primeiras respostas

Sonho

No fundo eles só querem uma boa escola, um bom hospital, um emprego legal, uma cama quentinha e alguém para chamar de amor.

quarta-feira, 15 de maio de 2013

Desejos


Não quero público
Não quero palco
Não quero aplausos
E nem convites

Não quero prêmios
Não quero gente
Não quero roupas
E nem novos sapatos

Não quero chuva
Não quero lua
E nem o brilho dessas estrelas

Quero pessoas
Quero abrigo
Quero amigos e verdadeiros
Quero mais que tudo a medalha daquela guerra.

Último suspiro


Em tão pouco tempo se tornou tanto
Tanto que se torna muito em pouco tempo
Corre risco de se tornar nada em um instante.

Nada é o vazio que deixou em uma estante
Livros abertos e pulsos cortados
O sangue quente ainda jorra no tapete

Em tão pouco tempo se tornou macabra
A linda história que conto aos meus netos
Bate o relógio e já vou terminar

São versos tristes de uma linda donzela
Que se entregou chorando a morte que vinha lhe buscar.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

Capitães

Pedro Bala com toda sua pompa,
é líder, dirige e é humilde.
Rondam pelas ruas da Bahia,
os meninos que as famílias desprezaram,
abandonaram, machucaram.

São furtos, roubos, histórias,
memórias, são lendas, amigos,
inimigos dos ricos!

Já vão preparando pro próximo passo,
entrar na casa, fingir de abandonado
que no fundo é a realidade.
Abandonados de afeto, amor, família.

E quem precisa?

Os capitães tem Dora,
amiga, irmã, mãe e noiva.
Tudo ao mesmo tempo.

Professor abre o livro
e aquele momento no trapiche é mágico.

A polícia faz uma batida,
já vai levando os inocentes numa briga.
Acusados de levar o que lhes pertence.
O que foi roubado inicialmente pelos ricos.

Ela, eles e o espelho.

Oportunismo
É por na verdade a mentira que lhe convém.


A auto- afirmação.


Erro


Saudade, incapacidade, tristeza.


dor...


Psicopatia gerada pelas relações extremas.


Medo, fraqueza, falta de franqueza.


Gera a falsidade, inimizade e inconfiabilidade.


Proximidade causada pela vaidade.
arrogância, orgulho, prepotência 
mesmo trajeto, direção e sentido.


Parece que chora quando fala 
e fala com tristeza, e firmeza, sem firmeza...
incapacidade. Inferioridade.
Tristeza, depressão, angústia. 


Terrível, insuportável, cruel
auto-afirmação, desculpa,
doença!


Doença, desespero!
desespero, medo!
medo, ódio!
ódio, fuga!
fuga, outra direção
sem sentido
sem razão.

Incompreensão

Quem não sabe falar
precisa gritar para ser ouvido.

A arrogância dos ruins
é a incapacidade de serem bons.

Ser letrado não significa ser íntegro.
Há doutores e auxiliares.
Enfermos para diversas doenças.

A sociedade está doente;
carece de agasalho
carece de abrigo
carece de amigos
carece de bons pensamentos

A sociedade é uma moral
uma moral baseada num sistema produtivo
 que é desumano e desigual.

Há quem saiba falar para todos
e os que gostam de falar para poucos.

Existimos nós
Existo eu
Existem eles
Todos sob o mesmo tempo

"Tempo da mudança"

Vemos as diferenças pelos telhados,
uns de barro, concreto, vidro.
Outros apenas um céu estrelado.

sábado, 14 de julho de 2012

O Guarda-chuva


As notas caem no asfalto 
As letras em um tom tão suave
O beijo tão doce, tão tenro.
A sílaba tão forte, tão leve.
A rima tão rica, tão pobre.
O cão, coitado!
Chora a menina embaixo da árvore.
Seu coração palpita, 
seus olhos se inundam! 
As pedras batem
O vento sopra ruídos
A jovem que canta seu sonho
Deixa os corações menos frios.


quinta-feira, 24 de maio de 2012

É ela! É ela!

É engraçado, passou-se mais de um ano.
As lembranças, os poemas, as músicas são iguais.
As palavras, desculpas e limites são os mesmos.
Passou mais de meses, horas, minutos, segundos,
e passei contando todos.
Não passou esse amor, parece que nunca passa.
Pensei em dar fim , acabar com isso tudo de uma vez.
Porém escolhi outro caminho, que é mais justo para vidas como a minha.
Resolvi escolher algo totalmente novo e justo.
Não escolhi para aliviar minha pena, nem para me sentir melhor.
Sinto que estou mais distante do meu amor
E que ele não me leva a nada a não ser ao fundo.
Nesse momento todas as lembranças são tão curtas
Cada caminhada é tão longa
e a vida é tão difícil sem imagina-la ao meu lado.
Ninguém até hoje conseguiu explicar isso.
Eu também não quero que expliquem, não quero que achem
motivos para o que eu sinto.
Só quero amar e amar perdidamente, como fiz uma única vez.

sábado, 18 de fevereiro de 2012

Yasmin

Lembro que chovia muito
e a igreja parecia sombria,
paradas em frente...
 esperando sabe-se lá o que!.
Ela já sabia o que esperar.
Eu já estava com meu desespero, aflição e medo.
Quando chegamos a noite iluminava
o lugar era horrível, as pessoas desagradáveis,
o cartão nem guardo mais.
Sei que estava tão mal que ficar sóbria me deixava ainda pior.
No fundo eu sabia que tudo acabaria ali,
mas não, eu tinha que ter certeza.
Poderia ter acabado na Yasmin.
Era só uma prova de amizade.
Eu quis brigar, bater e até ... deixa pra lá!
eu só sei que de tudo que senti
isso foi o mais profundo
e foi pra sempre
e será
eterno.

sábado, 24 de dezembro de 2011

O espírito do natal



Nessa noite não terá natal
Enquanto luzes coloridas piscam
As árvores se fartam de  tantos presentes
E a mesa é pequena para tanta comida.

Nessa noite não terá natal
Famílias brindam e compartilham histórias
Comem porcos como porcos
E festejam a data que apenas se troca presentes.

Nessa noite não terá natal
Do menino pobre que nasceu na manjedoura
Que lutou em sua vida para acabar com a desigualdade
Que colocou os abastados como parasitas.

Nessa noite não terá natal
Para milhares de famílias com dispensas vazias
E para os pequenos que esperam o 'papai noel'
Para a esperança consumista que esse sistema gera nas crianças.

Nessa noite não terá natal
E daqui alguns anos também não haverá
Para todos os responsáveis por essa miséria que presenciamos
E por essa esperança consumista e vazia que brotam nas crianças
O natal não deveria existir para os que mataram o aniversariante.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Tentando
                não
                    expressar

meu
      descontentamento

.Em
       estar
               sem
                     você.

O Poeta

A cartola e o bigode
Que escondem imperfeições

A firmeza do olhar
Que encanta os corações

A felicidade pueril
Que alegra as menininhas

As verdades das palavras
Que se escondem atrás das linhas.

Amantes

Entre os lençóis e teus cabelos
Soluçando dormi
Já previa naquele instante a dor que iria sentir
Volúptuosas noites passamos juntos
Que encanto de donzela!
Nos meus braços delira.
Que tenro amor!
Nos meus seios inebria.
Ao longo suspiro
Da donzela que dormia.

Descompasso


A incerteza do que é certo
Me trás dúvidas que ainda não quero decidir
A certeza do que é correto
Me faz querer logo decidir
A decisão mais certa
É decidamente a que não quero escolher
A posição devida
É certamente a que quero esquecer
O livro mais certo diz o que devo fazer
A verdade diz que devo seguir a moral
A moral diz que devo ser imoral
Mas o coração...
Este diz que tenho que esquecer de tudo o que dizem.





segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Canção


O desencanto encantou-me de vez
e canta a todo tempo
toda hora
Faz-me perder a lucidez

A face rosada fez-me sorrir
Lembrei-me da rosa desde o primeiro instante
tão formosa e leve beijou-me os lábios
Canta,canta, canta dona.

Felicidade bateu a porta
A bela virgem de amor espanta
cobre minha pele com teu suor
De amores morrendo canta
Canta,canta,canta dona.

És a pureza da minha alma
Bela jovem desavergonhada
Nos seios meus
Canta,canta e canta!



sábado, 12 de novembro de 2011

A mesma pizza
O mesmo Sábado
A mesma música
O mesmo ritmo
A mesma frase
O mesmo motivo
O único sentido
A única e mesma vontade.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Falta o carinho dela
Falta o rosto dela
Falta o corpo dela
Falta o amor dela
Falta tudo dela
Sobra tanta Falta.

domingo, 7 de agosto de 2011

Eu já disse que não consigo escrever
Tento,tento e não sei porque...
elas sumiram! as palavras sumiram!
apareçam letras,palavras,versos.
Viu ?
Sumiram!

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Não é fácil.

Ainda não superei aquele amor, queridos.
Ele dói, corrói e maltrata.
É triste ver que passou,sumiu.
Mas os momentos continuam se repetindo nos meus sonhos.
Ela virou uma fantasia delirante, que só terminará quando tudo acabar.
Não! ainda não acabou,pois ainda palpita e me faz chorar.

domingo, 12 de junho de 2011

Outubro

Só um amor me move
Só uma paixão me motiva
Só um querer me emula
Só um motivo me faz lutar
Só uma momento me contenta
(E este momento irá chegar)
Só uma vitória me faz viver
Só uma traição pode me matar.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Reflexão

      Os vermes começaram a atuar
A repressão irá começar
 E o dinheiro do pobre informal
                                                [sem nenhuma piedade vão levar.

São todos crias do sistema
Ao senhor abaixam suas cabeças
Mas o dia há de chegar 
Dia em que o socialismo reinará.

Não haverá exploração do homem pelo homem
Não haverá tamanha corrupção
Todos irão trabalhar 
Sem patrão rico a comandar.

domingo, 27 de março de 2011

Transponível

Parece que grita quando toca.
Parece que toca toda hora.
Parece singelo,sutil.
Parece uma voz amiga
            uma voz embriagada
                   voz rouca e amargurada.
Parece lembranças
                          passado e futuro.
Parece em cima do muro
                       um menino chorando.

sábado, 26 de março de 2011

Eu não sei

Quando quero
e quando não quero querer.
Quando quero
crio um novo credo.
Quando quero
brinco de ser criança
Quando quero
"te esqueço".
Quando quero
"te detesto".
Quando quero
deixar de te amar não consigo.



ps:  peço desculpas pela porcaria que acabaram de ler.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Caixa vazia





Livrei-me da rosa
Rosa murcha e despetalada
Cansada e amargurada
Que de paixão morreu fechada

Sua esperança guardada
             [em uma caixa vermelha desbotada
Desfaleceu assim como a mesma
             [que acompanhou o vento ao ser jogada.

Vá para longe pétala sofredora
Ainda morrendo de paixão
Fique longe de mim
Mesmo que o abismo seja a solidão.

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010


Foi só uma reflexão, está uma porcaria.






O mal do sofredor é pensar só em si
Pensa tanto que deixa de ter tempo para viver
Os anos passam
Mas a vida dele é sempre a mesma
Sempre será um martírio
Aguardando o momento de morrer
O ano do sofredor não passa
Divide-se em longas e dolorosas recordações
O tempo para ele talvez não exista
Pois se tornou tão sóbrio e tão decente
Que nenhuma esperança guarda no coração
A vida para ele não é vida
E a tristeza esta sempre infinita
No colo da amada se perdeu.


segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Minhas verdades

         A verdade já não me satisfaz
         Prefiro das mentiras a mais escabrosa
         Pois tranco-me em  lapsos e faço
                                       [delas verdades.

        
        A verdade já não me engana
        E daquelas mentiras a que mais ouvi
        Eram mentiras travestidas de verdades


       A verdade já não me ilude
       Depois te tantas mágoas
       A mentira ainda é a verdade que gosto de ouvir.


       E não me faz mal
       Porque pior que uma verdade racional
       Não é uma mentira passional.

sábado, 13 de novembro de 2010

Sobre a beleza das coisas



Perco-me em parcos versos livres.
Sumo em disparada sinfonia.
Ausente de meus pensamentos
A tristeza brisa leve emudece o dia.



O pesar que dantes tinha contentava meu viver.
Agora sem pesares não vivo.
Meu amor se calou
Que esperanças hei de ter?



Ah! Aqueles sonhos ...
Dissipados por paixão
Lembranças de vidas etéreas
Levaram-me ao caixão.



sábado, 6 de novembro de 2010

Silêncio



O amor
Esse sentimento febril e desvairado...
Levou-me a perder a consciência.
Caiu com as folhas do outono.
Reergueu-se com a mais linda estação do ano.

O rancor
Esse sentimento longínquo de esferas amenas.
Que transcende culturas tão distintas. 
Deixou-me a beira da insanidade.

A inveja
Essa me levantou
Deu-me forças
Não me traiu
 Guiou-me quando mais precisei
 e...
Fez-me ódio,mágoa,dor e nada.

A esperança
Essa se esqueceu de esperar por mim.
Fez-me perder todas as que restavam.

A Lembrança
. . .

A Saudade
Essa foi a mais dolorosa
E se quebrou quando acordei
Pois em mim ela se acalentava.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Reconstrução




Agora a vida parece mais clara
O sol se põe normalmente
A lua tem todo seu brilho
Os pássaros cantam

Agora vejo o dia ensolarado ou nublado
As estrelas piscam em um ritmo desenfreado como luzes natalinas
As ondas batem nas pedras e consigo ouvi-las


Agora é o tempo presente me mostrando o futuro
O tempo que se tentou fazer mais cedo
Porém era cedo demais e precisava de tempo


Agora é o momento em que as vozes se escutam
Em que o pecado queima nos dando prazer
É hora de viver o mais lindo e turbulento
AMOR





Isso é o que se espera quando os caminhos antes separados
se cruzam para um recomeçar.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Ressaca

Escrevi uma nova porcaria,
não espero que ninguém goste...
--------------------------------------------------------------

Não escrevo mais
Ultimamente tenho sido ligado pelo desejo
Desejo esse que se perdeu pelos lençóis

Não tenho a paixão que dantes possuía
Não tenho o pesar da leve caligrafia que se desfazia no papel
Não tenho a fé inabalável
Nem ao menos a admiração inacabável pelo moribundo

O medo também se perdeu por entre as sombras dos amores meus
Perdeu-se todo o meu pesar
Até a estonteante alegria em me lastimar.


domingo, 15 de agosto de 2010

Não sou poeta

Não sou poeta

Não me importam as rimas

Não me iludem as métricas


Não sou poeta

Não defendo ideologias

Não destruo imagens

Não me lastimo com o pesar alheio


Não sou poeta

Não dramatizo como Shakespeare

Não romantizo como Gonçalves dias

Não represento o fascínio pelo mórbido


Não sou poeta

Escrevo parcamente

Guiado pelo “ vers libre”



segunda-feira, 26 de julho de 2010

Auschwitz

Peça: "Auschwitz".
Paródia insana da dor.
"Peça Auschwitz!"
Beba o sangue de ódio!
Peças-Auschwitz
Brinquedos da morte.
Peçam Auschwitz
Última tomada ariana.

domingo, 11 de julho de 2010

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Saudade
Álvares de Azevedo

"Foi por ti que num sonho de ventura
A flor da mocidade consumi
E as primaveras disse adeus tão cedo
E na idade do amor envelheci"...

terça-feira, 6 de julho de 2010

inFinito

Finito
Finito
Finito

"Que seja eterno enquanto dure"

Finito
Finito
Finito

"Na dor o sofrimento é dividido"

Finito
Finito
Finito

"Vou te guardar comigo"

Finito
Finito
Finito

De amor
Infindo
DOR

De tantas rosas
sobrou o vazio
Do amor que tive
restou a saudade
Do meu coração
restaram as marcas
Do meu corpo
apenas cinzas.

domingo, 4 de julho de 2010

J.



Eu penso em lhe dizer tantas coisas
Ainda há o que dizer
Na hora certa as palavras fogem
A voz falha e a garganta se fecha
Quando fito seus olhos
Toda mágoa se esvai
Toda orquestra emudece
Toda pétala que caí
Inunda meus olhos como uma prece!

sábado, 3 de julho de 2010

a carta



"Tudo que eu sempre quis...
Quando tive toda felicidade a perdi
Joguei-me no chão
Chorei,gritei de nada adiantou.
Ela não me ouviu!
Permiti ao tempo fazer jus ao seu nome,
Passou...passou
E quando achávamos que
[já tinha terminado
Fomos surpreendidos
Com o calor das palavras que sopravam aos ouvidos,
E disse baixinho: -Eu te amo!"

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Não sei



O resgate de palavras.
O remendo de falhas.
O mal do século.
O furo da folha que range.
O escuro dos olhos gemidos.
O tempo sem mais você
      é um tempo perdido.